PECUÁRIA | 20/03/2017 às 00h00

Reação no mercado da pecuária fica para 2019, prevê especialista

Entre 2017 e 2018, os preços devem ficar pressionados, tanto para o mercado de carne, como para o mercado de bois, vacas, bezerros. O que de fato representa um privilégio nesse momento é a gestão. A previsão do consultor e especialista em pecuária, Maurício Palma Nogueira, diz respeito a desvalorizações da pecuária bovina no Brasil. Segundo Palma o maior desafio atual é manter a rentabilidade em um momento que a oferta de animais tende a superar a demanda. O consultor vai detalhar este desafios durante o 30º Encontro de Tecnologias para Pecuária de Corte, que será realizado pelo Sindicato Rural de Campo Grande, no dia 3 de abril, a partir das 7h.

De acordo com Palma, além do próprio efeito negativo dos preços de vendas, momentos assim costumam levar muitas incertezas aos empresários, que correm riscos maiores de adotar decisões imediatistas e equivocadas. “Esse aumento de decisões mal elaboradas foi muito comum em 2016, quando as margens se reduziram pelo aumento de custos dos insumos”, confirma. “Empresas que se prepararam nos anos anteriores tendem a passar por períodos desfavoráveis sem maiores traumas.

Segundo o consultor da Agroconsult, apesar dos pecuaristas com mais gestão na propriedade se sobressaírem no atual momento da pecuária, não existe se que um criador que não seja desafiado. “O desafio é para todos. Produtores em regiões com maior densidade de plantas frigorÍficas podem ser beneficiados pelo equilíbrio da pressão entre fazendas e frigorífico. Mas nada a ponto de alterar significativamente as condições, em termos comparativos. Outro benefício é a proximidade com os grãos, o que, por outro lado, tende a favorecer uma oferta mais consistente” completa.

Sobre a solução para lidar com a problemática causada pelos baixos preços dos animais, ter uma estratégia da porteira para dentro, já abriria uma grande janela. “Pela nossa experiência, aqueles produtores que se mantém focados no plano de longo prazo tendem a colher resultados, mesmo em cenários negativos. Ainda que suas margens caiam significativamente, é possível que tenham se antecipado a estes períodos, minimizando os impactos negativos. O gerenciamento das informações, internas e externas à sua fazenda, e a habilidade em transformá-las em decisões rápidas e assertivas fazem a diferença”, pontua o palestrante do 30º Encontro de Tecnologias para Pecuária de Corte, que acontecerá no Sindicato Rural de Campo Grande.

Para o presidente do Sindicato Rural de Campo Grande, Ruy Fachini Filho, a 30ª edição do Encontro de Tecnologias para Pecuária de Corte, além de orientar o pecuarista sul-mato- grossense, servirá como oportunidade de união da categoria no momento de incertezas da pecuária. “O mercado para pecuária não está no cenário mais favorável, e buscar atualização, a favor de estratégias para lidar com a desvalorização da produção, além de oportuno, se faz necessário. Toda alternativa que possa nortear o pecuarista da porteira para dentro, que busca rentabilidade, é válida e bem-vinda”, pontua Fachini, ao convidar os criadores para o evento.

Pautas relacionadas a mercado, sustentabilidade, tecnologias e inovação na pecuária serão aprofundadas no dia 3 de abril, no auditório do Sindicato. A participação dos associados ao Sindicato é gratuita, os demais deverão entrar em contato via telefone 67 3341-2151 ou email recepcaosrcg@gmail.com, até o dia 30 de março, para reservar seu espaço.

 

Confira os palestrantes do 30º Encontro de Tecnologias para Pecuária de Corte

 

Renato Roscoe – Governo do Estado de MS

Formado em Engenharia Agronômica, pela Universidade Federal de Viçosa, com mestrado em

Solos e Nutrição de Plantas pela Universidade Federal de Lavras e doutorado (PhD) em Ciências

Ambientais pela Universidade de Wageningen, Holanda. Trabalhou como pesquisador na Embrapa

Agropecuária Oeste e na Fundação MS. Atua como consultor na área de agricultura e pecuária

desde 2007, com foco em planejamento e gestão nas empresas ARKUN Consultoria e Gestão e

Geodrone Cone Sul. Sócio e facilitador na Escola Pro-Fissa de Educação Corporativa. Ocupou o

cargo de Secretário Estadual de Cultura, Turismo, Empreendedorismo e Inovação de Mato Grosso

do Sul. Atualmente é Superintendente de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de Mato Grosso

do Sul.

Francisco Beduchi - GTPS

Graduado em Engenharia Agronômica pela Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” da

Universidade de São Paulo (ESALQ-USP) e com MBA em Mercado de Commodities Agropecuários

pela mesma Universidade, Francisco possui diversos cursos em Análise de Mercado, Mercado de

Futuros, Ferramentas Econômicas para Conservação Ambiental pela Conservation Strategic Fund e

Environmental Leadership Program pela Universidade da Califórnia – Berkeley. Tendo mais de vinte

anos de carreira, Francisco está no Instituto Centro de Vida desde 2013 e atua hoje como

Coordenador da Iniciativa de Pecuária.

Maurício Palma Nogueira – Agroconsult

É engenheiro agrônomo formado pela Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”/USP e pós-

graduado em administração Rural pela Universidade Federal de Lavras. É consultor desde 1998

acompanhando empresas e analisando cenários e resultados financeiros nas cadeias produtivas de

proteína animal.  Planejou a metodologia e é coordenador do Rally da Pecuária. É autor e/ou

coautor de diversos livros, capítulos e artigos sobre economia, viabilidade de aumento no pacote

tecnológico, mercado pecuária e tendências no agronegócio. Em 2015 e 2016 foi considerado uma

das 100 personalidades mais influentes do Agronegócio, segundo a Revista Dinheiro Rural.

Ricardo Reis - Universidade Federal do Oeste da Bahia

É Dr. em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia. Trabalha como Prof. Adj. 2 na

Universidade Federal do Oeste da Bahia, em Barreiras. Ministra disciplinas de Sedimentologia,

Estratigrafia e Mapeamento Sedimentar no Curso de Geologia. Tem experiência no ensino em IFES,

trabalhando com disciplinas dos cursos de Geologia, Geografia, Eng. Cartográfica e Agrimensura e

Agronomia na UFU e na UFOB. Desenvolve pesquisas na área de Sedimentologia, Geologia e

Geomorfologia do Quaternário, Pedologia e Estratigrafia. Também pesquisa temas ligados a bacias

Hidrográficas e Geossistema. É extensionista, com atividades na comunidade universitária, e faz a

ligação entre ensino, resultado de pesquisas e comunidade em geral.

Ademir Hugo Zimmer – Embrapa Gado de Corte

É engenheiro agrônomo formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e mestre em

Fitotecnia na área de Fisiologia e manejo de forrageiras pela mesma universidade. Tem doutorado

em zootecnia na área de produção animal, pela Universidade Estadual Paulista - UNESP. Zimmer é

pesquisador da Embrapa Gado de Corte e já ocupou diversos cargos de liderança, gerência,

coordenação e supervisão dentro da instituição. Foi presidente da AEAMS - Associação do

Engenheiros Agrônomos de  Mato Grosso do Sul, e vice-presidente da Federação de Engenheiros Agrônomos do Brasil.

Deixe seu comentário

Notícias Relacionadas